Primeiros astronautas transportados pela Boeing chegaram à estação espacial

Os dois primeiros astronautas a bordo da nave espacial Starliner da Boeing entraram hoje na Estação Espacial Internacional, passo crucial para a esperada missão, apesar dos problemas registados durante o voo com o sistema de propulsão da cápsula.

“Que lugar fantástico, é ótimo estar de volta aqui”, disse, sorridente, o astronauta da NASA Butch Wilmore, que está a fazer a sua terceira visita à Estação Espacial Internacional (EEI), tal como o seu colega Suni Williams.

Após ter descolado da Florida na quarta-feira, a nave espacial aproximou-se hoje suavemente da EEI, situada a 400 quilómetros acima da Terra, viajando a cerca de 28.000 quilómetro por horas.

A acoplagem teve lugar às 17:34 GMT (18:34 em Lisboa), cerca de uma hora e vinte minutos mais tarde do que o inicialmente previsto.

Problemas com alguns dos propulsores da nave espacial, utilizados para fazer pequenos ajustes na trajetória, atrasaram a aproximação final.

Segundo a NASA, cinco destes pequenos propulsores, de um total de 28, falharam a dada altura, mas quatro deles acabaram por voltar a funcionar, fornecendo o número necessário para a operação.

A escotilha da nave espacial foi aberta cerca de duas horas após a acoplagem, permitindo que os astronautas Butch Wilmore, 61 anos, e Suni Williams, 58 anos, fossem recebidos pelas outras sete pessoas que já se encontravam a bordo do laboratório voador (astronautas da NASA e cosmonautas russos).

Butch Wilmore e Suni Williams vão estar na EEI uma semana e regressar à Terra na mesma nave.

Na quarta-feira à noite, a NASA anunciou que duas novas fugas de hélio, além de uma fuga anteriormente conhecida, tinham sido detetadas em voo na nave espacial.

Estas fugas não representam “um perigo para a segurança da tripulação e da nave espacial, ou para a missão”, assegurou Jim May, um funcionário da Boeing, numa mensagem transmitida hoje de pelo gigante aeroespacial.

Esta primeira missão tripulada da Starliner representa um grande desafio para o gigante aeroespacial e para a NASA, escreve a AFP, adiantando que o seu objetivo é demonstrar que o veículo é suficientemente seguro para iniciar operações regulares.

Há dez anos, a agência espacial norte-americana encomendou dois novos veículos à Boeing e à SpaceX para transportar os seus astronautas para a EEI.

A Boeing, que está a ser investigada por falhas de segurança nos seus aviões, quer demonstrar com este voo de teste tripulado que a Starliner é segura para iniciar operações regulares, embora com quatro anos de atraso face à empresa concorrente SpaceX, do magnata Elon Musk, que transporta astronautas da NASA para a EEI desde 2020.

Assim que a Starliner estiver totalmente operacional, a NASA pretende alternar entre os voos da SpaceX e da Boeing.

O lançamento do voo tripulado de teste da Starliner acontece após vários anos de sucessivos adiamentos e duas tentativas de descolagem canceladas no último momento devido a problemas técnicos.

A Boeing prevê agora iniciar voos comerciais para a Estação Espacial Internacional em fevereiro de 2025 depois de concluído o processo de certificação.

HN (ER) // MDR

Lusa/Fim

(Visited 3 times, 1 visits today)

You might be interested in