Voo de Lavrov para Nova Iorque tem de evitar espaço aéreo de vários países

O avião que transporta o chefe da diplomacia da Rússia para Nova Iorque, onde participará na Assembleia Geral da ONU, terá de evitar o espaço aéreo dos países que o encerraram aos aviões russos devido à guerra na Ucrânia.

“A rota não tem escalas e voará a contornar o espaço aéreo encerrado por países inamistosos” estando previsto que o voo se prolongue por 12,5 horas, disse hoje Serguei Ryabkov, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo e ‘número dois’ de Serguei Lavrov, citado pela agência noticiosa da Rússia, TASS.

Os aviões russos estão impedidos de sobrevoar o espaço aéreo da União Europeia (UE), bem como o de outros países não comunitários, como o Reino Unido, Noruega ou Suíça, além do Canadá e dos próprios Estados Unidos.

O percurso que o avião de Lavrov irá fazer não foi adiantado.

Para os Estados Unidos, porém, Lavrov e respetiva delegação receberam vistos necessários para entrar no país, mas apenas para participar na reunião anual da Assembleia Geral das Nações Unidas, onde o chefe da diplomacia russa fará uma intervenção e terá cerca de duas dezenas de reuniões bilaterais, afirmou na semana passada a porta-voz do Ministério dos Negócios estrangeiros russo, Maria Zakharova.

Na ocasião, a “questão logística” relacionada com a ida de Lavrov aos Estados Unidos estava ainda por tratar.

Hoje, o Presidente russo, Vladimir Putin, indicou que Lavrov defenderá, na intervenção na Assembleia Geral da ONU, a posição de Moscovo para que se ponha “fim ao mundo unipolar”.

Depois de receber as cartas credenciais de embaixadores estrangeiros, em Moscovo, Putin prometeu manter a “política externa soberana” russa e acusou os Estados Unidos de quererem impor a “hegemonia” na Assembleia Geral da ONU.

Embora tenha enviado Lavrov a Nova Iorque, Putin não planeia fazer nenhum discurso na Assembleia Geral deste ano, já que a intervenção russa na Ucrânia tem sido amplamente condenada por todo o mundo.

“O desenvolvimento da multipolaridade enfrenta a resistência daqueles que se esforçam por manter um papel hegemónico nos assuntos mundiais e controlar tudo: a América Latina, a Europa, a Ásia e a África. […] Mas isso não pode continuar para sempre. É impossível”, afirmou Putin.

“Nós, na Rússia, não vamos descartar o nosso percurso soberano. Como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, queremos promover uma agenda internacional unificadora […] e contribuir para o regulamento de graves crises regionais”, adiantou.

A semana de alto nível da Assembleia Geral das Nações Unidas começou na terça-feira, na sede da ONU em Nova Iorque, e irá prolongar-se até à próxima segunda-feira, com a presença de dezenas de chefes de Estado e de Governo, entre eles o primeiro-ministro português, António Costa.

Esta é a primeira Assembleia Geral desde o início da guerra na Ucrânia e a primeira em formato presencial desde o início da pandemia.

O evento decorre sob o tema “Um momento divisor de águas: soluções transformadoras para desafios interligados”, e terá como foco a guerra na Ucrânia e as crises globais a nível alimentar, climático e energético.

JSD (PMC) // PDF

Lusa/Fim

(Visited 8 times, 1 visits today)

You might be interested in