Mais de 3.000 portugueses permaneceram ilegalmente nos Estados Unidos em 2019

O Departamento de Segurança Interna norte-americano suspeita que pelo menos 3.291 portugueses e 41.487 brasileiros tenham ficado ilegalmente nos Estados Unidos depois de expirarem as autorizações ou vistos no ano passado, segundo um relatório obtido hoje pela Lusa.

Num relatório sobre 2019, consultado pela agência Lusa, o Brasil é o país que conta o maior número de permanências ilegais nos Estados Unidos da América (EUA) com os vistos de negócios (B1) ou de turismo (B2), com um total de 43.741.

Quanto a Portugal, o Departamento de Segurança Interna indica que se esperavam mais de 206.750 partidas de cidadãos portugueses dos EUA, das quais 434 foram depois dos prazos estipulados (90 dias depois da entrada) e 3.291 não se realizaram.

Os números contribuíram para uma taxa de ‘overstay’ (ou período excedido de permanência autorizada) de 1,80% de Portugal em 2019.

Portugal faz parte de um programa de isenção de vistos dos Estados Unidos que permite que os cidadãos portugueses viajem e permaneçam em território norte-americano, em turismo ou em negócios, por um período de até 90 dias, sem a necessidade de um visto.

No caso do Brasil ou qualquer outro país de língua portuguesa, os visitantes necessitam de um visto e têm direito a ficar 180 dias em turismo ou em negócios.

Segundo o relatório do Departamento de Segurança Interna, em 2019 eram esperadas 2,3 milhões de saídas brasileiras dos EUA com os vistos de turismo (B1) ou de negócios (B2) e a taxa de prazos excedidos foi de 1,88%.

Segundo o relatório, 41.487 brasileiros terão ficado nos EUA depois dos prazos estipulados pelos vistos e 2.254 cidadãos terão saído depois da data limite.

Apesar de uma taxa baixa, o Brasil é o país que tem o maior número de prazos excedidos ilegais com os vistos B1 ou B2 nos Estados Unidos.

Os números brasileiros contrastam com os dados de outros países que são afetados por uma nova regra da administração de Donald Trump, que pode impor cauções entre cinco a 15 mil dólares por cada pessoa que queira entrar nos Estados Unidos.

Uma nova regra temporária da administração dos EUA contra imigrantes ilegais vai afetar quatro países de língua portuguesa que no ano de 2019 excederam mais de 10% dos períodos de permanência autorizados.

Segundo o mesmo relatório, quatro países de língua portuguesa excederam, em 2019, mais de 10% das estadas permitidas com vistos B1 ou B2: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe.

No caso de São Tomé e Príncipe, os serviços americanos suspeitam que apenas quatro cidadãos com vistos de turismo ou de negócios tenham ficado nos EUA depois dos prazos autorizados em 2019.

Mas de um total de 26 de cidadãos são-tomenses com vistos B1 e B2 que deveriam ter saído, os quatro que ultrapassaram o tempo estipulado criam uma taxa de 15,38%, daí que a administração de Donald Trump procure impor restrições contra novos visitantes.

A Venezuela é o segundo país com mais permanências ilegais depois do prazo autorizado pelos vistos, ao ter totalizado prazos excedidos por 39.270 cidadãos com os vistos B1 e B2 e uma taxa de ‘overstay’ de 8,25%.

Segue-se a Colômbia, com 29.806 ultrapassagens dos períodos autorizados pelos vistos e uma taxa de ‘overstay’ de 2,98%.

EYL // LFS

Lusa/Fim

(Visited 48 times, 1 visits today)

You might be interested in