Consultora considera eleições presidenciais nos EUA principal risco geopolítico em 2024

As eleições presidenciais norte-americanas são o maior dos principais riscos geopolíticos em 2024, classificou a consultora Eurasia num relatório publicado hoje, no qual explora as consequências da vitória de Donald Trump ou de Joe Biden.

“Embora as forças armadas e a economia dos Estados Unidos continuem a ser excecionalmente fortes, o sistema político americano é mais disfuncional do que o de qualquer outra democracia industrial avançada. Em 2024, o problema vai agravar-se muito mais”, refere. 

Segundo os autores, o fundador do Eurasia Group, Ian Bremmer, e o presidente, Cliff Kupchan, “as eleições presidenciais irão aprofundar a divisão política do país, pondo à prova a democracia americana”.

“A perspetiva de uma vitória de Trump vai enfraquecer a posição dos Estados Unidos no plano mundial”, antecipam, prevendo um enfraquecimento no apoio à Ucrânia, uso de instituições para perseguir adversários políticos, mais protecionismo comercial e imprevisibilidade na política de Defesa. 

O relatório considera a vitória dos Democratas pela mão de Joe Biden “improvável”, a qual resultaria numa “crise política sem precedentes” porque será declarada ilegítima e fraudulenta pelos Republicanos.

Bremmer resumiu as eleições como “um confronto entre líderes que consideram o outro o principal adversário que representa uma ameaça existencial”. 

“Biden vê Trump como uma ameaça existencial à democracia, Trump vê Biden como uma ameaça existencial a si próprio. E na perspetiva de Trump, isso é mais importante do que a democracia”, afirmou hoje durante uma apresentação do relatório.

A Eurasia produz anualmente um relatório sobre os principais riscos geopolíticos mundiais para orientar governos, empresas e instituições a responderem às respetivas oportunidades e desafios.

Outros dos principais perigos nomeados incluem a crise no Médio Oriente, a guerra na Ucrânia dividida, o avanço da Inteligência Artificial, o reforço da aliança entre Rússia, Coreia do Norte e Irão e a demora na recuperação económica na China. 

O crescente apoio aos partidos de extrema-direita e populistas na União Europeia (UE) é também destacado no relatório, que receiam que “consenso centrista que definiu a ordem europeia do pós-guerra possa vir a ser quebrado em 2024”.

“Os efeitos adversos da economia, as pressões migratórias, um certo cansaço da guerra na Ucrânia e a desacordo no seio da UE fazem temer uma vitória dos populistas nas eleições para o Parlamento Europeu em junho”, indica o relatório. 

Apesar de admitir problemas em diferentes países individualmente, os analistas da Eurasia duvidam que eurocéticos e populistas conquistem uma maioria no Parlamento europeu. 

BM  // APN

Lusa/fim 

(Visited 5 times, 1 visits today)

You might be interested in