Casa Branca mantém as festividades em tempo de pandemia

A Casa Branca continua a planear as festividades apesar de todas as advertências das autoridades de saúde pública que têm insistido para que sejam limitadas as reuniões familiares e os eventos, durante a pandemia.

A entrega na segunda-feira de um abeto Fraser, numa carruagem puxada por cavalos, deu início aos habituais eventos que decorrerão nos feriados na Casa Branca que incluiu o perdão anual do peru, o Natal e o Hanukkah (festa judaica).

“Ir às festas será uma escolha muito pessoal”, disse Stephanie Grisham, porta-voz e chefe de gabinete da primeira-dama Melania Trump, acrescentando que “é uma tradição de longa data que as pessoas visitem e apreciem a alegria e a decoração icónica das comemorações anuais do Natal na Casa Branca”.

A decisão de avançar com as festividades e as reuniões internas vem quando os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, importantes conselheiros da Casa Branca e profissionais de saúde pública, têm implorado aos norte-americanos para não viajarem no Dia de Ação de Graças ou passar o feriado com pessoas de fora de suas famílias.

Conforme o clima esfriou, o vírus espalhou-se fora de controle, com casos e hospitalizações aumentando em todo o país e mais de 250.000 pessoas mortas.

A Casa Branca já foi o local de vários eventos suspeitos de “super-propagação” e dezenas de funcionários – junto com o presidente, sua esposa e dois de seus filhos – foram infectados, junto com uma longa lista de assessores de campanha, outros conselheiros e aliados no Congresso.

Grisham disse que a Casa Branca tomará precauções para fornecer “o ambiente mais seguro possível” para aqueles que optam por participar nos eventos e isso reduzidas listas de convidados, uso obrigatório de máscaras, distanciamento social nos jardins da Casa Branca, desinfetante para as mãos.

Anthony Fauci, um dos maiores especialistas em doenças infecciosas do país, alertou hoje mais uma vez sobre as consequências potencialmente terríveis de as pessoas se reunirem com amigos e familiares nesta época de feriados e férias.

Fauci previu que o país poderia ter “bem mais de 300 mil mortos até ao final do ano”, caso algumas comportamentos não mudassem.

CC // JLS

Lusa/fim

(Visited 10 times, 1 visits today)

You might be interested in