Casa Branca reconhece “risco” de recessão quando EUA vivem elevada inflação

O Governo dos Estados Unidos reconheceu que existe um “risco” de recessão, ao mesmo tempo que o país vive uma elevada inflação, e sublinhou que a economia está num período de “transição” após o impacto da pandemia.

Numa entrevista na cadeia de televisão CNN, o diretor do Conselho Económico Nacional da Casa Branca, Brian Deese, reconheceu, sobre a possibilidade de uma recessão, que “há sempre riscos” dados os desafios globais e as medidas monetárias tomadas para fazer face à elevada taxa de inflação nos Estados Unidos, a mais alta desde o início dos anos 80.

“A nossa economia está a transitar daquela que tem sido a recuperação mais forte da história moderna dos EUA para o que pode ser um período de crescimento mais estável e resiliente que funciona melhor para as famílias”, disse.

A Reserva Federal, o banco central dos Estados Unidos, manteve as taxas de juro diretoras entre 0% e 0,25% durante dois anos para estimular a economia.

Este ano inverteu esta política e já aprovou dois aumentos consecutivos para conter a subida dos preços.

Assim, a taxa de juro oficial da maior economia do mundo está entre 0,75% e 1%, prevendo-se aumentos adicionais no preço do dinheiro nos EUA.

Deese sublinhou que é necessário dar à Reserva Federal “independência” para fazer o seu trabalho, notando que “tem os instrumentos para combater a inflação”.

De acordo com os dados do Departamento de Comércio, a inflação nos Estados Unidos mantém-se em níveis não observados há quarenta anos, embora tenha moderado ligeiramente em abril para os 8,3%, menos duas décimas do que em março.

Entretanto, o desemprego em abril nos Estados Unidos situou-se em 3,6% da força de trabalho, a mais baixa em dois anos.

ANP // MSP

Lusa/fim

(Visited 11 times, 1 visits today)

You might be interested in